Campus Recanto das Emas: Uma realidade cada vez mais próxima da comunidade

O que antes era apenas ruína está se tornando a nova unidade do Instituto Federal de Brasília (IFB) na cidade administrativa do Recanto das Emas.  O espaço antes abandonado e ocupado por usuários de crack era para ter sido ocupado pelo projeto assistencialista Cidade dos Meninos. Com a doação do antigo local pelo Governo de Brasília e recursos financeiros do Ministério da Educação, a revitalização do prédio principal e as obras em todo o espaço foram possíveis. Atualmente, com obras adiantadas e previsão de inauguração para fevereiro de 2018, o IFB Campus Recanto das Emas já dá sinais que chegou a região. O projeto inicial vai contar com onze salas de aulas, quatro laboratórios de Informática; Artes e Ciências; Áudio e Vídeo e Edição e Editoração. Além de uma biblioteca, uma  quadra poliesportiva e espaços para as salas administrativas.

O eixo tecnológico escolhido em audiência pública com a população foi o de “Produção Cultural e Design”. O primeiro curso a ser ofertado será o de Técnico em Produção de Áudio e Vídeo. O campus terá capacidade para atender 1.200 estudantes, inclusive com a oferta de ensino médio integrado.  A escolha pelo curso aconteceu considerando as demandas do mercado em Brasília,  um dos maiores centros de emissoras de rádio e televisão o País.

A estrutura para o curso de Produção de Áudio e Vídeo inclui estúdio e laboratórios para atender 40 alunos simultaneamente com equipamentos de última geração. A ideia é simular o espaço de trabalho de uma emissora de TV ou de uma produtora de vídeo com ilhas de edição, equipamentos de externas, chamadas de UPJ – Unidade portátil de jornalismo ou UPP – Unidade portátil de produção. As possibilidades de inserção no mercado profissional são para emissoras de TV, agências de publicidade e produtoras de audiovisual.

O curso de Técnico em Áudio e Vídeo será oferecido em duas modalidades: Integrado (para o adolescente que terminou o ensino fundamental e pode cursar o ensino médio profissionalizante) e Subsequente (para aquele que já terminou o ensino médio e deseja fazer apenas  o ensino profissionalizante). O conteúdo programático ainda inclui noções de Iluminação e Fotografia. Os futuros profissionais do IFB poderão atuar em três áreas: operador de câmera, operador de áudio e editor de imagens. O formando também poderá exigir registro profissional de radialista, já que o curso é certificado pelo MEC.

A abertura de novo processo seletivo para a Unidade está prevista para segunda quinzena de dezembro  com a  oferta de 240 vagas, sendo 160 para o curso integrado e 80 para o curso subsequente. As inscrições acontecerão durante o mês de janeiro. “A população do Recanto das Emas será beneficiada com os cursos do Instituto. Em fevereiro já teremos alunos iniciando o primeiro curso de Técnico de Áudio e Vídeo profissionalizante do Distrito Federal. Há expectativa é muito grande entre nossos servidores e docentes para a inauguração do novo campus”, afirma o Prof. Wilson Conciani, reitor do IFB.

Com mudança marcada para o final do ano, a ideia é começar a movimentação de materiais assim que as condições da obra permitirem. “Todos estão animados com as boas perspectivas no Recanto das Emas.  Parte dos servidores e infraestrutura do novo campus será migrada do Campus Taguatinga Centro.  Serão 42 docentes e 35 servidores inicialmente para atender a demanda local da população”, afirmou o Prof. Germano Teixeira Cruz, atual diretor do Campus Taguatinga e futuro diretor do Campus Recanto das Emas.

Acompanhe novas informações sobre a abertura do processo seletivo aqui no site.

Reitor do IFB participa de reunião para criação Conselho dos Técnicos Industriais e Agrícolas

Nesta terça-feira, o reitor do Instituto Federal de Brasília (IFB) esteve reunido com o senador Edison Lobão, deputado federal Giovani Cherini, e outros representantes do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), e dos Sindicatos dos Técnicos Industriais e dos Técnicos Agrícolas.

Na pauta, a criação do Conselho Profissional dos Técnicos Industriais e Agrícolas. O projeto já foi aprovado na Câmara dos Deputados e agora está na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal. Edison Lobão, que preside a CCJ, se mostrou disponível por dar celeridade ao processo.

 

Pais do Campus Brasília são recebidos pelo reitor

Reitoria se reúne com pais de estudantes do Campus Brasília.

Na tarde de sexta-feira, 3 de novembro, um grupo de pais da (futura) Associação de Pais do Campus Brasília do Instituto Federal de Brasília (IFB) – está em vias de ser oficializada – foi recebido pelo reitor, Wilson Conciani.

O encontro, que tinha como objetivo a apresentação da iniciativa dos responsáveis, acabou se estendendo para um diálogo sobre o orçamento Institucional e do campus.

Para efeito  de tornar mais clara e interativa a conversa, Conciani se valeu do “IFB em Números”, um sistema de transparência para que a comunidade interna e externa possa visualizar informações de ensino, pesquisa, extensão e gestão.

Ao final do encontro, a certeza de que a participação da comunidade deve, sim, integrar-se à gestão na perspectiva do fortalecimento do IFB.

IFB reforça orçamento 2018 com recursos da bancada do DF no Congresso Nacional

A bancada federal do Distrito Federal (oito deputados e três senadores) destinou R$ 45 milhões para a expansão da oferta da Educação a Distância (EaD) ofertada pelo Instituto Federal de Brasília (IFB) para 2018. A emenda coletiva está na modalidade prioritária e vai agora para aprovação na Lei Orçamentária Anual (LOA).

O projeto com os recursos é a reestruturação da Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) de todas as Unidades do IFB para ofertar sistema online mais amplo e seguro possibilitando um salto de aproximadamente 2 mil alunos para 30 mil até 2019.

Hoje o Instituto Federal de Brasília oferece na modalidade EaD cursos técnicos (concomitante e subsequente) e de Formação Inicial e Continuada (FIC) em 11 polos (nos dez campi e em Brazlândia). A proposta com a reestruturação é ampliar a oferta destes cursos e também de pós-graduação.

 

Outras emendas

Há parlamentares que também estão destinando emendas individuais para o IFB. É o caso da deputada Érika Kokay que está destinando R$ 500 mil com o objetivo de adquirir equipamentos para a realização de cursos na área de Saúde (Qualidade de Vida para Idosos, Cuidador de Idosos, Segurança do Trabalho). O deputado Rôney Nemer está indicando R$ 400 mil para projeto de Energia Fotovoltaica no Campus Recanto das Emas. O deputado Ronaldo Fonseca indicou R$ 500 mil para projetos da mesma natureza energética (fotovoltaica), destinados ao Campus Brasília. No caso do deputado Alberto Fraga, os R$ 1,5 milhões são orientados para projetos fotovoltaicos para o IFB como um todo. Já o senador Hélio José indicou também R$ 500 mil para a ser utilizado em qualificação a ser executada pelo Campus Ceilândia. No total, estes parlamentares indicaram R$ 2,9 milhões.

 

Entenda

As emendas parlamentares são enviadas para inserção na LOA do ano seguinte, o que acontece normalmente no final do ano. No início do ano fiscal – geralmente entre março e abril – é feita a autorização dos valores orçamentários para o Ministério correspondente (no caso o Ministério da Educação) e este ao longo do ano vai liberando o financeiro para a instituição, o que às vezes chega a acontecer apenas no último trimestre do ano.

Para todas essas etapas é necessária gestão institucional.

Acertando os detalhes para receber bem os sudaneses

Ontem, 23 de outubro, o reitor do IFB, Wilson Conciani, se reuniu com a Assessora Internacional do IFB, Edna Carvalho, a diretora-geral do Campus Planaltina, Edilene Marchi, a diretora de ensino, pesquisa e extensão e o coordenador de pesquisa e inovação do Campus Planaltina, Alessandra Ferreira e Adilson Jayme, respectivamente.

O encontro serviu para definir os últimos detalhes do curso na área de agricultura que será ofertado pelo IFB – em parceria com outros Institutos Federais – para 24 estudantes sudaneses no mês de novembro.

IFB firma acordo de cooperação com o Movimento Orgulho Autista

O reitor do Instituto Federal de Brasília (IFB), Prof. Wilson Conciani, e diretor-presidente do Movimento Orgulho Autista Brasil (MOAB), Fernando Cotta, assinaram acordo de cooperação na tarde desta terça-feira, 10 de outubro, no gabinete da Reitoria.

A proposta é proporcionar ações como estágios curriculares e extracurriculares, projetos de pesquisa e extensão, consultorias e vistorias entre a instituição de ensino e a organização não-governamental sem finalidades lucrativas que trabalha pela melhoria da qualidade de vida das pessoas autistas e de suas famílias.

As entidades já foram parceiras na realização de curso de atendimento especializado ao autista, II Seminário Nacional sobre Autismo e VI Fórum de Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva. Os dois últimos eventos aconteceram em setembro deste ano dentro da programação do INCLUIF no ConectaIF.

Além da palestra com Caio Abujadi no próximo dia 28 de outubro, o próximo passo é a consolidação de uma cartilha sobre legislação inclusiva que será divulgada pela Editora do IFB nos próximos meses.

Participaram como testemunhas e partícipes do acordo de cooperação com os gestores, a diretora de Ensino do MOAB, Viviani Guimarães, e os educadores Alessandra Fonseca e Jaspion Leone, da Coordenação de Políticas Inclusivas da Pró-reitoria de Extensão e Cultura do IFB.

Ampliando parcerias com a Marinha

O Instituto Federal de Brasília (IFB) e a Marinha do Brasil estão fechando parcerias para impulsionar o Ensino, a Pesquisa e a Extensão. Projetos na área da formação inicial e continuada e certificação de saberes estão sendo traçados como ações-pilotos.

Estes foram os assuntos dos almirantes Sérgio Nathan Marinho Goldstein e Renato Rodrigues de Aguiar Freire, comandante da Força Aeronaval e comandante do 3º Distrito Naval, respectivamente, com o reitor do IFB, Wilson Conciani, na manhã do dia 22, em visita ao ConectaIF, evento organizado pelo Instituto que acontece até o dia 23, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Exposições

A Marinha do Brasil, por intermédio do Comando do 7º Distrito Naval e Comissão Interministerial para os Recursos do Mar, participa com as exposições “Amazônia Azul”, “O Brasil na Antártica” e “Oficina de nós e voltas” da Expo IF, um dos eventos dentro do ConectaIF.

O mostruário reúne maquetes de embarcações militares e de estações científicas, painéis, banners, totens, réplicas de animais, vestimentas usadas na Antártica e uma moto-neve que foi usada na Estação Antártica Comandante Ferraz. Os visitantes puderam tirar dúvidas sobre o apoio oferecido pela Marinha aos projetos de pesquisa científica na Amazônia Azul e na Antártida, além de receber instruções sobre como ingressar na Marinha.

Expectativas

Para o almirante Goldstein, a exposição no ConectaIF é uma pequena demonstração do que a Marinha faz na área de formação e tecnologia em prol do País. “Agradecemos a parceria no evento como bons exemplos de tecnologias aplicadas ao cotidiano que a Marinha trouxe. Nossa expectativa agora é ampliar nossos laços através do aproveitamento do potencial de nossas instituições pela Educação Profissional”, comentou o reitor.

A pró-reitora de Extensão e Cultura do IFB, Cristiane Salgado, e a assessora de deputado Joe Valle, Ana Beatriz Goldstein, acompanharam a visita e participaram dos diálogos sobre cursos de profissionalização que estão em planejamento. O deputado distrital Chico Vigilante também esteve no mesmo período visitando os eventos simultâneos do ConectaIF.

Queensland, Austrália

O reitor do IFB, Wilson Conciani, está na Austrália, a serviço do Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

Conciani e mais 21 dirigentes, de nove países diferentes, receberam um convite do governo de Queensland, estado australiano, para conhecer instituições de ensino públicas e privadas da região.

“Ontem, o encontro teve início com uma apresentação e hoje começamos as visitas em algumas escolas para conhecer os processos de desenvolvimentos e parcerias com as empresas e indústrias. A proposta é verificar onde é possível estabelecer parcerias entre as instituições da Rede Federal no Brasil e as instituições aqui de Queensland”, finaliza Conciani.